A Fundação Brasileira de Teatro

A Fundação Brasileira de Teatro visa ao desenvolvimento do Teatro Brasileiro e das Artes, especialmente no seu aspecto educacional e terá como principais finalidades:

I- Interpretar o pensamento, as aspirações, os reclamos e a expressão cultural e artística do Teatro Brasileiro.

II- Preservar a dignidade profissional do Teatro no Brasil.” (Art. 6º da Estatuto da Fundação Brasileira de Teatro)

"A Fundação Brasileira de Teatro está criada para servir o Teatro. Não ignoro as lutas que vão ser lutadas, nesta hora de confusões e imprevistos. Mas pela força de nossa mútua crença nos ideais que defendemos; de nossa solidariedade nos momentos graves; pela troca e pela dádiva do que houver de melhor em nós mesmos, preservaremos esse ideal que sobreporemos a todas as confusões, a todos os imprevistos. Acreditamos no sonho que se concretiza, no ideal que se faz ação e obra."
(Dulcina de Moraes, 1955, aula inaugural da Academia Brasileira de Teatro)
Estatudo FBT.

Grandes nomes das artes no país assinam como sócios fundadores da fundação:

  • Adolfo Celi

  • Antonio Callado

  • Antonio Pereira de Araujo

  • Armando de Assis Pacheco

  • Bandeira Duarte, Bibi Ferreira

  • Brenildo Meirelles Tavares

  • Cacilda Becker

  • Carlos dos Santos Brant

  • Carmen Dolores Caran

  • César Ladeira

  • Conchita de Moraes

  • Dary Hugo dos Reis

  • Dolores Caminha

  • Dniester Marques da Silva

  • Dulcina de Moraes

  • Edith Moraes

  • Elsa Deschatre Longoni

  • Floriano Faissal

  • Genolino Amado

  • Guilherme Figueiredo

  • Heber de Boscoli

  • Henriette Morineau

  • Ismenia dos Santos

  • J.M. Figueiredo Neto

  • Joracy Camargo

  • José Caran

  • José Paulo Moreira da Fonseca

  • Leana dos Reis

  • Leonice Léa Correia Leal

  • Licínio Ferreira Neves

  • Lúcia Benedetti

  • Luciano Trigo

  • Luiz Delfino

  • Luiz Iglesias

  • Manuel Durães

  • Margarita Haydeé Salaverry

  • Maria Clara Machado

  • Maria Jacintha

  • Neide Coelho

  • Odilon Azevedo

  • Oswaldo Motta

  • Paulo Autran

  • Pedro Bloch

  • Raymundo Magalhaes Junior

  • Renata Fronzi Ladeira

  • Sandro Polônio

  • Silveira Sampaio

  • Thereza Cristina Pinto Martins

  • Tônia Carreiro

  • Victor Costa

  • Waldemar Figueiredo e

  • Yara Salles

O primeiro time de docentes da ABT era de artistas de diferentes linguagens da mais alta representatividade na cena nacional, tais como: 

  • Adolfo Celi

  • Bandeira Duarte

  • Cecilia Meireles

  • Dulcina de Moraes

  • Elsie Lessa

  • Eduardo Laeffler

  • Gilberto Amado

  • Hector Henriques

  • Henriette Morineau

  • Henrique Oscar Silva Araújo

  • João Cabral de Melo Neto

  • José Carlos Lisboa

  • José Paulo Moreira da Fonseca

  • Josué Montello

  • Junito Souza Brandão

  • Ledo Ivo

  • Luciano Trigo

  • Margarida Bandeira Duarte

  • Maria Clara Machado

  • Renato Alvim Correia

  • Roland Corbisier

  • Adonias Filho

  • Alceu Amoroso Lima

  • Ataíde Coutinho

  • Guerreiro Ramos.

Durante treze anos seguidos a FBT funcionou no Rio de Janeiro, formando alguns dos mais importantes atores, diretores, cenógrafos e críticos do teatro Brasileiro tais como: Rubens Corrêa, Ivan de Albuquerque, Yan Michalski, Cláudio Corrêa e Castro, João das Neves, Françoise Fourton, Irene Ravache.

Em 1955 tem início a Fundação Brasileira de Teatro, no Rio de Janeiro. Mantidas pela FBT inauguram-se à época Academia Brasileira de Teatro, que futuramente se convertera na Faculdade de Artes Dulcina de Moraes, e a Associação Brasileira de Teatro. 

Dulcina de Moraes, sua vinda e permanência
no Distrito Federal

No final dos anos 60, à época da recém-inaugurada Brasília, Dulcina começa e ser incentivada por personalidades como Darcy Ribeiro e Sarah Kubitcheck a transferir sua fundação para a nova Capital. A iniciativa, cercada de lendas, como Dulcina ter sonhado com uma cidade de terra vermelha e ter, aleatoriamente escolhido o local do terreno do edifício da fundação fechando os olhos e apontando o dedo no mapa, rendeu anos de árduo trabalho até sua completa realização. A atriz vende seu teatro e sua casa no Rio e doa todo seu dinheiro para a construção do edifício que até hoje abriga a Fundação Brasileira de Teatro e suas principais instituições por ela mantidas, a Faculdade de Artes Dulcina de Morais e o Teatro Dulcina no Setor de Diversões Sul, centro de Brasília. Dulcina muda-se para a nova capital federal em 1972. 

O prédio todo da Fundação é esboçado por Oscar Niemeyer e desenvolvido por Ítalo Campofiorito, Luís Maria Xavier e Peri Rocha França. 

A Faculdade de Artes Dulcina de Moraes, evolução direta da Academia, seria inaugurada 10 anos após a chegada de Dulcina ao DF e forma artistas e técnicos de teatro e artes visuais desde 1982. 

Dulcina de Moraes faleceu em 1996 e a Fundação Brasileira de Teatro permanece ativa, firmando sua vocação de um espaço de formação em arte e promovendo cultura. 

Estatuto da Fundação Brasileira de Teatro